GUP! Desenvolvimento

O caminho no qual estou vai de encontro com o da minha empresa?

Qual foi a última vez que você e seu gestor pararam para alinhar expectativas, necessidades de desenvolvimento e pontos nos quais focar energia?

E se você é gestor, qual foi a última vez que fez esses alinhamentos com sua equipe?

Se você nunca passou por esse processo, saiba que existe a chance de você estar empregando energia e focando suas forças em algo que talvez não seja exatamente o que seu gestor gostaria. Já parou para pensar nisso?

 

O momento de conversar, dividir percepções e discutir alternativas de desenvolvimento, projetos futuros é primordial para garantir o alinhamento e evitar surpresas.

Imagine o funcionário Fulano Junior, ele nunca parou para conversar com seu chefe sobre esses assuntos, ele é muito dedicado e vem sentindo cada vez mais a necessidade de desenvolver as suas habilidades de comunicação, pois percebe que precisa melhorar seu relacionamento e tratativa com clientes, ele sente que é isso que o ambiente organizacional está cobrando dele, apesar de ser reservado e tímido ele vem se esforçando para ser mais envolvente e carismático.

Enquanto isso, do outro lado da sala temos o Ciclano Neto, o chefe do Fulano Junior. O Ciclano Neto já é chefe do Fulano a cerca de 3 anos, ele consegue perceber que o Fulano se desenvolveu bastante nesse período, mas ainda sente falta dele ser mais integrado à equipe e prestativo com seus pares, pois percebe que o seu trabalho tem muita qualidade, inclusive sempre muito preocupado em ser muito polido com os clientes, mas ainda tem um comportamento muito individualista e independente de trabalho.

Para o Ciclano Neto estão óbvios quais são os pontos que o Fulano deveria ter a preocupação de desenvolver. O Ciclano inclusive já “deu várias indiretas”, na esperança de que o Fulano entenda o que tem de fazer.

Enquanto isso o Fulano Junior tem certeza que está se esforçando naquilo que é mais importante.

A empresa que não estimula a conversa e esse alinhamento talvez tenha diversos excelentes profissionais, capazes de entregar ainda além do que a direção da empresa projetou, porém sem o foco e direcionamento corretos, é provável que não exista o envolvimento necessário pelo objetivo em comum.

Segundo o Great Place to Work, os colaboradores sentem-se mais engajados e são mais produtivos quando percebem o impacto das suas ações para o atingimento do todo e possuem autonomia para propor e realizar melhorias, e isso só é possível no momento em que existe clareza dos papéis e responsabilidades.

Não adianta o Fulano e Ciclano ficarem tristes pelo tempo que demoraram para realizar o alinhamento, o foco é concentrar as energias para que a partir de hoje a correção de rota coloque todos no mesmo caminho.

 

E você, conhece alguém que está nesse papel do Fulano ou Ciclano?

O que você pode fazer para não se tornar um deles?

Paulo Araneda
Consultor de Gestão de Pessoas