GUP! Desenvolvimento

TRANSFORMANDO INFORMAÇÃO EM AÇÃO

Vivemos na Era da Informação com a popularização da internet e a utilização de novas tecnologias que vêm valorizando cada vez mais o conhecimento em oposição ao trabalho essencialmente operacional como observado na Era Industrial.

 

Existem inúmeros estudos e conteúdos disponibilizados na internet sobre os mais diversos temas como: ciência, administração, política, tecnologia, saúde, dentre outros, além de plataformas que fazem a captação de dados de hábitos de consumo das pessoas que podem ser utilizados para criação de novos produtos e serviços em seus benefícios.

 

Conectando esse contexto aos desafios de gerir pessoas, ao realizar uma breve pesquisa no google sobre “HR Tech”, ou seja, empresas que desenvolvem softwares para trazer mais inteligência e menos burocratização ao setor, você poderá se surpreender com centenas de empresas com esse propósito.

 

A vantagem e o desafio hoje estão na boa aplicação do conhecimento e é sobre esse tema que queremos explorar nesse artigo.

 

Na nossa consultoria nos deparamos com empresas que utilizam diversos sistemas operacionais, que por sua vez oferecem muitos relatórios analíticos, mas a gestão não possui conhecimento ou tempo para analisá-los e reverter isso em vantagem para a empresa.

 

Outra situação comum são áreas de RH que realizam diversas pesquisas com os colaboradores, mas imersos na rotina do dia-a-dia, não dedicam tempo para analisar esses resultados e implementar ações para melhorar a satisfação e performance das equipes.

 

E como priorizar o que deve ser analisado e implementado? Primeiramente lembrando do porque a empresa existe (missão) e aonde ela deseja chegar (visão) pois essas informações são cruciais para definição de um planejamento estratégico que direciona as decisões para algo que é importante, afinal com tantas informações e pseudo-oportunidades, ter foco é quase uma questão de sobrevivência.

 

Uma vez que existe essa clareza, é importante que cada área defina alguns indicadores chaves (KPI) que deverão ser analisados e discutidos mensalmente ou trimestralmente para transformá-los em planos de ação, acompanhando as suas evoluções para garantir que exista começo, meio e fim.

 

Na GUP! apoiamos as empresas na definição e acompanhamento dos indicadores por área e por função, além de realizar as perguntas certas nas pesquisas, pois também não adianta ter dados dos colaboradores que não respondem o que a empresa precisa saber.

 

Com todos esses cuidados, a empresa finalmente consegue ter a vantagem de utilizar o conhecimento como um diferencial e toda a equipe ganha!

 

Paulo Araneda – GUP! Desenvolvimento l gestão de performance sustentável