GUP! Desenvolvimento

A EQUIPE SEGUE O QUE A LIDERANÇA FAZ, NÃO O QUE ELA FALA

“Faça o que eu digo, não faça o que eu faço”

Tenho certeza de que você já ouviu essa frase em algum momento da sua vida, e além de aparecer em músicas, filmes e de vez em quando até no repertório de pais e mães criando seus filhos, essa mesma frase também tem muita relação com o que muito líderes ainda praticam.

 

Já falamos em outro texto aqui no blog (https://gupdesenvolvimento.com/gestor-o-que-voce-reflete-para-sua-equipe/) sobre como desde recém-nascidos desenvolvemos a habilidade de aprender a partir da observação das pessoas ao nosso redor, percebemos como as pessoas agem e queremos imitá-las, queremos nos integrar ao meio que vivemos.

 

Utilizamos as informações observadas para saber como devemos nos portar. Se chegamos em um determinado local e percebemos todos festejando, pulando e dançando, vamos replicar esse comportamento, da mesma forma que ao chegar em uma sala de aula silenciosa (com todos os alunos alerta na explicação do professor), mesmo nunca tendo conhecido este professor em particular, já percebemos como ele é rígido e austero, entendemos como ele quer que seja o comportamento de seus alunos.

 

Para entender esse efeito, diversos estudos e experimentos já foram publicados sobre o assunto, e para que você possa ver algo assim em prática recomendo que assista o vídeo no próximo link que trata de maneira lúdica, divertida e leve o assunto: https://www.youtube.com/watch?v=yJoYMV4RifY

 

Nesse vídeo um grupo de atores realizam uma ação logo após ouvir um “bipe” em uma sala de espera, 1 única pessoa não sabe que se trata de um experimento e começa a replicar o mesmo comportamento que os demais, sem nunca ter recebido uma ordem ou instrução do que deveria fazer.

Aos poucos todos os atores são retirados da sala e um novo grupo é formado 100% por pessoas que não sabem sobre a situação, ainda assim o comportamento de grupo se mantém.

 

O aprendizado que tiramos disso é que a leitura do ambiente e do comportamento das pessoas presentes nos dão indícios do que é aceito ou até valorizado por aquele determinado grupo.

 

Fazemos essa análise do ambiente o tempo todo (a vida toda) e muitas vezes de forma inconsciente.

 

Quando entramos no mercado de trabalho e chegamos na empresa já estamos “superdesenvolvidos” na arte de perceber os sinais do ambiente.

 

Aqui mora o maior perigo com a mentalidade de “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”, pois todos percebem muito facilmente a incoerência entre discurso e prática.

 

E você, já parou para pensar em qual sinal/comportamentos está transmitindo para a sua equipe? Para a sua empresa? Seus comportamentos e seu discurso são convergentes?

 

Você tem o discurso de que “todos possuem pontos aprender e desenvolver”, mas quando recebe algum feedback já começa a enumerar justificativas, explicações e desculpas ao invés de focar no que você pode desenvolver?

 

Lembre-se, a incoerência entre discurso e prática é percebido! E na dúvida as pessoas estão acostumadas a seguir e valorizar muito mais o COMPORTAMENTO do que o DISCURSO.

 

Perceber essas divergências entre discurso e prática é um exercício constante e muito desafiador, mas é de extrema importância para que se possa construir um ambiente equilibrado, saudável e de alta performance.

 

GUP! Desenvolvimento / gestão de performance sustentável