GUP! Desenvolvimento

OS EFEITOS DE ADIAR UMA DEMISSÃO

A jornada do colaborador na empresa geralmente finaliza com uma demissão. Talvez porque o colaborador esteja se aposentando depois de um longo período de dedicação, ou está apresentando uma baixa performance e não responde as tentativas de desenvolvimento, ou até mesmo porque vai morar no exterior e não tem como continuar trabalhando para aquela empresa.

 

Existem vários motivos para os desligamentos acontecerem, pode ser por iniciativa da empresa ou do colaborador e nesse artigo queremos explorar sobre os impactos para a empresa de adiar ou não realizar demissões quando são necessárias.

 

Primeiro ponto a destacar é que as relações de trabalho devem ser baseadas na troca entre as partes, ou seja, a empresa precisa de uma pessoa para realizar determinadas atividades e em contrapartida remunera esse profissional com o salário e benefícios adequados para a função, além de proporcionar um ambiente e as ferramentas necessárias para o seu bom desempenho.

 

Partindo dessa premissa, destacamos algumas situações que a empresa precisa analisar para efetivar os desligamentos:

  1. O colaborador não performa de acordo com o combinado na contratação e após tentativas de desenvolvimento (ex.: feedback e treinamentos), ele permanece com o nível de entregas abaixo do necessário
  2. A empresa está passando por reestruturação (financeira, de equipe, de modelo de negócios) e não tem mais a necessidade de que aquelas atividades sejam desenvolvidas – e também não é possível realocar o profissional para outra função
  3. O colaborador possui uma alta performance, a empresa necessita das suas entregas mas o seu comportamento é prejudicial para a equipe e restante da empresa (famosas “laranjas podres”)

 

Quando essas situações acontecem e a empresa decide por não realizar o desligamento, diferentes impactos financeiros e emocionais surgem nas equipes:

 

  • Custos de manter na equipe uma pessoa que não realiza as atividades que a empresa necessita. Um colaborador na função de Analista, por exemplo, custa em média R$ 120 mil reais por ano.
  • Custos para contratar outra pessoa para suprir a deficiência de quem deveria ser demitido.
  • Quando o colaborador possui um comportamento inadequado, contamina as pessoas ao seu redor que tendem a ficar desmotivadas e por consequência trabalham menos, falam mal da empresa e não realizam um atendimento adequado aos seus clientes.
  • Baixa performance do time ao verificar que não é necessário se esforçar para se manter na empresa. Tendência de fazerem o “mínimo necessário para a função”.

 

Vivemos em uma sociedade que enxerga o processo demissional como algo negativo e ele não precisa ser. Já vi casos de pessoas que ficaram muito felizes ao serem demitidas pois pretendiam iniciar outras empreitadas e não tinham dinheiro ou coragem para dar o primeiro passo. Muitas vezes a demissão é um presente para todos os lados.

 

A empresa também pode adotar ações de demissão humanizada para minimizar os impactos de todos os envolvidos, como por exemplo:

 

  • Ter empatia e respeito pelo profissional que está sendo desligado, fazendo a comunicação com tato e agradecendo por toda sua dedicação (desligamento não é momento para acusações e cobranças).
  • Demonstrar calma, paciência e disponibilidade para explicar os valores da rescisão contratual e quais serão os próximos passos, pois muitas pessoas sentem-se perdidas nesse momento.
  • Ouvir o desabafo do ex-colaborador sem fazer críticas ou julgamentos. Se ele ficar nervoso, apenas acolha e entenda que aquele momento é dele e não seu enquanto gestor.
  • Apoiar no seu processo de recolocação profissional, indicando para colegas de profissão, formalizando uma carta de recomendação ou contratando um serviço de recolocação profissional (Outplacement).
  • Oferecer uma bonificação extra que pode ser financeira ou até mesmo a extensão do plano de saúde.

 

Realizar demissões não é um dos processos que os gestores mais gostam de fazer, mas são necessários e fazem parte da jornada de qualquer colaborador. Entender a sua importância e aplicar técnicas de humanização podem ajudar todos os envolvidos a lidarem melhor com esse momento.

 

GUP! Desenvolvimento l gestão de performance sustentável